terça-feira, 20 de setembro de 2016

Capitulo 6 – She is pregnant

Notas Iniciais:
Desculpa a demora gente, mas tá difícil conciliar canal, blog e fic. 
Mas não desistam de mim, please!! 
Boa leitura!!
____________________________________________________________





Ela está grávida


Gabriella’s Pov

Meu coração parece que vai sair pela boca enquanto Wesley me olha completamente pálido. Meu corpo todo está gelado e tremulo. Estar esperando um filho de Oliver era a última coisa que poderia acontecer comigo. Wesley também não está reagindo muito bem, está mais branco que o normal e paralisado me olhando.

- Eu não estou conseguindo acreditar nisso, Gabriella. – Ele por fim abre a porta e entra no carro, e eu faço o mesmo.
- Eu também não. – Suspiro e coloco o cinto.

Wesley não diz mais nada, seguimos o caminho até a minha casa completamente calados. Na verdade não tínhamos o que dizer um para o outro. É uma decepção grande. Ele por descobrir que não é o pai e eu por descobrir que meu filho será rejeitado pelo pai.

Ele estaciona em frente a minha casa e suspira, por fim me olhando enquanto eu faço o mesmo.

- Oliver tem que saber disso.
- Que? – Digo sobressaltada. – Mas é claro que não.
- Gabriella, ele é o pai. Tem direito de saber. – Ele levanta uma de suas sobrancelhas.
- Até parece que você não conhece o amigo que tem. Oliver não quer ter filhos. – Falo como se fosse óbvio.
- Mas é responsabilidade dele e sua.
- Eu não vou contar e nem você. – Falo estressada e o olhando séria.
- Gabriella... – Ele passa as mãos no rosto e olha para frente. – Ok!

Abro o meu cinto e pego minha bolsa no banco de trás.

- Tchau!

Saio do carro e entro em casa. Estou nervosa de mais, confusa demais e com medo demais pra me despedir direito. Entro em casa e subo para o quarto correndo. Lory não está na sala e eu agradeço por isso, assim ela não me encherá de perguntas, pelo menos não agora. Assim que entro no quarto, Meire está deitada mexendo em seu celular e logo me olha ansiosa, mas seu sorriso se desfaz assim que vê minha cara nada boa.

- O que aconteceu agora? Era pra você voltar feliz gritando de quantos meses você está. – Ela se senta esperando uma resposta minha.
- Era... Mas infelizmente eu descobri coisas a mais que eu não gostaria de ter descoberto. Na verdade, não gostaria que fosse verdade. – Passo as mãos no meu rosto me sentando.
- Pelo amor de Deus, Gabriella. O que aconteceu? – Ela se aproxima se sentando do meu lado.
- A criança que eu estou esperando não é do Wesley... – Suspiro. – É do Oliver.
- Não brinca! – Ela leva as mãos à boca. – Gabriella do céu... Você tem certeza disso?
- Sim... Eu estou de dez semanas, sendo que rolou com o Wesley há menos tempo. – Suspiro e por fim começo a chorar.
- Amiga, eu não sei nem o que te falar. Você vai contar pra ele, né?
- Não – Respondo baixo.
- Mas ele é o pai, você tem que contar. – Ela fica me olhando.
- Eu não vou contar, porque ele não quer nem namorar, imagina ter filhos. – Passo as mãos nos cabelos. – Prefiro deixar quieto do que ter a dor dele rejeitando a criança.
- Mesmo que ele rejeite, ele tem que pagar a pensão.
- Meire, meu filho não precisa de nada do Oliver. – Olho nervosa pra ela. Não quero ficar discutindo sobre isso de novo, já não basta o Wesley dizendo que eu tenho que contar.  – Me levanto e vou pro banheiro.

Lavo o meu rosto e respiro fundo algumas vezes tentando me acalmar. Coloco a mão na barriga e acaricio.  Eu ainda tenho que ligar para os meus pais e farei isso agora. Quero resolver tudo de uma vez para tentar ficar em paz depois.

(...)

Depois de quase uma hora com a minha mãe no telefone, eu desligo. Sinto até um alivio na minha orelha.  Foi extremamente difícil contar pra ela que estou gravida, ela ficou assustada, berrou, se preocupou e me falou um monte de coisas me condenando, mas depois me motivando. Mais difícil ainda foi quando ela me perguntou quem é o pai, em hipótese alguma eu poderia falar que é do Oliver senão com certeza ela enfartaria. Também não quis mentir dizendo que é do Wesley, até porque não é justo. Apenas disse que é de um menino que me envolvi  por aqui, mas que ele mudou de país. Quando respondi isso ela voltou a gritar, mas depois se acalmou dizendo que vai vim me ver.  Meire ficou do meu lado ouvido tudo pelo viva voz.  Eu ainda tinha que me preparar psicologicamente, pois minha mãe com certeza contará para o meu pai e sem duvidas ele vai me ligar pra gritar também.

Todo o estresse do dia me faz voltar a ter fortes enjoos e dor de cabeça.  Quase não consigo mais sair do banheiro de tanto vomitar. Lory fica cuidando de mim e Meire também desmarca seus compromissos com James pra cuidar de mim.
Quando estou me ajeitando pra dormir, fico preocupada com Wesley que não me ligou e nem mandou mensagem o dia inteiro desde a hora que me deixou em casa. Opto por não ligar também, talvez ele esteja precisando de um tempo, ele estava empolgado com tudo e descobrir que ele não é o pai da criança foi um choque pra ele.

xxxxxxxxxxxXxxxxxxxxxxx

Wesley’s POV

Acordo morrendo de dor de cabeça, mal consegui dormir direito por causa da noticia que tive. Não estava preparado para ser pai, mas sim, eu estava animado e depois levar um balde de água fria daquele foi algo desanimador.

Me levanto, tomo banho, me visto e tomo remédio antes de sair para trabalhar. Ao chegar na empresa  passo no refeitório e tomo um pouco café preto pra ver se a moleza do corpo sai de mim.
Já na minha sala abro meu notebook e me concentro para começar a trabalhar. Na agenda está marcado uma reunião para as onze da amanhã com Oliver. É, definitivamente hoje é um dia de cão. Pego meu celular e decido ligar pra Gabriella, fiquei tão chateado que ontem eu não queria falar com ninguém, nem com ela, mas sei que eu não posso abandonar ela assim.

- Bom dia. – Digo quando ela atende com sua voz rouca de quem acabou de acordar.
- Bom dia... Está tudo bem?
- Sim... E você? – Suspiro.
- Acho que sim. – Ela boceja e sorrio.
- Desculpa por ter sumido ontem é...
- Não precisa se desculpar, eu te entendo. – Ela suspira e fica quieta por alguns segundos. – Eu contei pra minha mãe sobre a gravidez.
- E o que ela disse?
- Ficou desesperada, mas depois tentou me passar confiança.
- Contou quem é o pai?
- Não... E nem vou contar, minha família nem pode sonhar. Dei meu jeito, inventei uma história.
- Hoje tenho uma reunião com Oliver aqui na empresa. – Passo a mão na testa.
- Não sabia que vocês trabalham juntos.
- A empresa tem uma ligação de negócios com a empresa do seu pai, e eu como um dos diretores, tenho que participar. Bom, vou deixar você dormir mais, eu tenho trabalho pra fazer. Só liguei pra saber se está tudo bem com você.
- Tabom então, bom trabalho.
- Posso te ver mais tarde? – Pergunto receoso.
- Pode sim, estarei o dia inteiro em casa.
- Tudo bem. Até.
- Até!

Desligo o telefone e volto a trabalhar, pois hoje o dia será longo.

(...)

Ás onze e cinco recebo a ligação da recepção dizendo que Oliver já havia chegado e mais alguns outros que participarão da reunião. Pego meus papéis e deixo minha sala me dirigindo até a sala de reunião.

Ao entrar cumprimento todos com um apertão de mão formal, inclusive Oliver que me trata profissionalmente e me sento em uma das cadeiras. Em seguida o dono da empresa entra na sala e damos inicio á reunião.

A reunião ocorre tranquila com projetos e ideias e dura em cerca de uma hora e meia. Logo depois o dono da empresa pede para Oliver ir á minha sala para que eu apresente alguns papéis para ele assinar e assim vamos até a sala sem dizer nada.

- Aqui estão. – Coloco os papeis sobre a mesa e ele começa a ler.
Me sento de frente pra ele e fico o olhando enquanto ele permanecesse de olho nos papéis. Suspiro e passo a mão na testa.
- Como anda a empresa?  - Pergunto tentando quebrar o silêncio.
- Ótima. – Ele começa a assinar os papéis.
- Oliver, a gente poderia esquecer o que aconteceu e parar com isso. – Falo e ele me olha levantando uma sobrancelha.
- Esquecer que você pegou a garota?
- Porra Oliver, eu não peguei a Gabriella. Nós estamos apenas almoçando. – Falo nervoso.
- Fora as outras vezes que vi vocês juntos não é? – Ele continua com sua cara passiva.
- Só nos viu juntos, não estávamos fazendo nada e a Gabriella precisa muito de você agora.
- Precisa de mim? Eu a vi esses dias, ela está muito bem sim mim. – Ele se levanta.
- Ela está grávida e um filho seu. – Falo alto me levantando.
Oliver para no meio do caminho e depois se vira para me olhar.
- Grávida? De um filho meu? – Ele ri sarcástico. – Me poupe Wesley, vai mentir pra mim de novo?
- Não é mentira.
- Se for verdade eu tenho certeza que não é meu. Arque com suas consequências. – Ele sai da sala. 


Porra! Dou um soco na mesa. Oliver é mais cabeça dura do que eu pensei que fosse.

_____________________________________________________
Notas Finais:
Genteee,  Oliver realmente não acreditou, e agora? 

Comente com o Facebook:

2 comentários: